Chega pra lá!

Chamem as crianças. Um curtinha de animação em que a ponte é lugar de disputa e de entendimento.

Bridge, de Ting Chian Tey, diretor malaio residente em San Francisco, EUA.

Anúncios

Mecânica e movimento

Joris Ivens fez o primeiro filme importante inteiramente dedicado a uma ponte na história do cinema. Em 1928, ele começava carreira, vindo da fotografia, e procurava um tema que lhe permitisse explorar padrões de movimento. Era um tempo de fascinação pela mecânica e pela velocidade, o que transparece em cada sequência de A Ponte. Por sugestão de um engenheiro, Ivens decidiu documentar as atividades em torno da recém-construída ponte móvel sobre o rio Maas, em Roterdã.

Uma autorização especial da ferrovia lhe permitiu escalar as diversas partes da ponte e tirar vantagem dos pontos de vista mais altos. Sua câmera Kinamo portátil ora está dentro de um trem cruzando a ponte, ora está subindo ou descendo junto com o pontilhão que, quando suspenso, abre passagem para as embarcações de maior porte. A narrativa é simples: os trens cruzam a ponte velozmente enquanto os navios esperam no rio. Um trem reduz sua velocidade até parar diante do sinal fechado. O pontilhão se ergue e os navios passam. Em seguida, o pontilhão retorna ao seu nível e o trem retoma seu ritmo através da ponte.

Ivens antecipa a reflexividade de O Homem com a Câmera ao incluir um plano dele próprio com sua Kinamo logo no início. É uma senha para o seu interesse pelas similitudes entre a passagem da película no obturador e a passagem das imagens pelos vãos das ferragens. O dinâmico grafismo visual se soma aos reflexos das águas, ao jogo de sombras e aos detalhes de roldanas, engates, alavancas, etc. O cinema, o trem e a ponte como fenômenos da mecânica de precisão a serviço da mobilidade.

Em seu livro sobre Ivens, A. Zalman conta que a montagem foi feita com base num jogo de cartões que o cineasta criou para tomar decisões sem precisar manipular a película. Sua mulher, a fotógrafa Germaine Krull, o acompanhou nas filmagens e publicou muitas fotos no seu livro Metal (à esquerda).

Engenharia poética

Um post que publiquei em 2010 a respeito da minha paixão por pontes.
Fica aqui como um manifesto.

Foto: Rosane Nicolau

É fácil me agradar. Basta me levar para conhecer mais uma ponte. Ou me presentear com qualquer coisa relativa a pontes. Nas minhas viagens, não deixo de explorar as pontes dos lugares que visito. Gosto de vê-las do alto, atravessá-las a pé, passar de barco sob seu arco, fotografá-las de todos os ângulos. Se tivesse que apontar minha preferida, não saberia escolher entre a majestosa do Brooklyn, a buliçosa Howrah de Calcutá, a lírica Pont Neuf de Paris ou a “galeria” variada do rio Sumida, em Tóquio. 

Pontes são a poesia convertida em engenharia. Sua extensão metafórica é quilométrica. Elas aproximam pessoas, superam obstáculos, suprimem abismos, desvendam panoramas. Voam como pensamentos. São as primeiras a explodir nas guerras e as últimas a se percorrer quando se deixa um bairro, uma cidade ou mesmo um país. Como cenário externo de encontros de amor, talvez só percam para os banquinhos dos parques.

Update: Soube pelo meu amigo Julio Miranda, engenheiro, que pontes e viadutos são chamados de “obras de arte especiais”. Faz sentido em relação às pontes, mas tenho minhas dúvidas quanto aos viadutos.

Foto: Carlos A. MattosUm dos motivos que me levaram a Florianópolis na semana passada foi adicionar mais uma ponte a minha coleção de recuerdos. A ponte Hercílio Luz está em obras de restauração até o segundo semestre de 2012, daí que não pude trafegar no seu leito de ferro. Mas a contemplei de todos os ângulos possíveis. Floripa tem luxos como um serviço de atendimento a quem visita essa obra. Assim pude chegar bem perto do canteiro, com sua algaravia de metais, madeira e concreto.

Foto: Carlos A. MattosDiz a Wikipedia que a Hercílio Luz é a maior ponte pênsil do Brasil e uma das maiores do mundo. Inaugurada em 1926, foi a primeira ligação entre a ilha de Floripa e o continente. Descansa sobre as duas margens da baía um peso aproximado de 5 mil toneladas. Mas nem os números, nem os superlativos valem mais do que a festa de vê-la iluminada à noite, mesmo nesse período de restauração.

Abaixo, mais duas fotos que fiz da Hercílio Luz, sempre com a retilínea ponte Colombo Sales aparecendo ao fundo.

Foto: Carlos A. Mattos

Foto: Carlos A. Mattos

O post original: http://carmattos.com/2010/04/02/pontes/

Começa a travessia

Pontes e filmes estão entre as coisas que mais aprecio no mundo. Resolvi juntá-las neste blog como uma forma de, ao mesmo tempo, colecionar e compartilhar referências aos inúmeros “papéis” das pontes em filmes. Vou postar aqui vídeos, fotos, textos e links sobre o assunto. Embora esta seja uma espécie de diversão solitária, sintam-se animados a contribuir com a indicação de materiais para ampliar nosso acervo.

Para começar, uma das primeiras – senão a primeira – aparições de uma ponte no cinema. É a Ponte do Brooklyn (NY) filmada pelos irmãos Lumière em 1896. Curiosamente, o filminho reúne dois ícones profundamente cinematográficos: a ponte e os trens.