Felicidade e morte em “Jules e Jim”

Duas pontes desempenham papéis dramáticos opostos no admirável Jules e Jim, de François Truffaut. A primeira entra em cena aos 13 minutos de filme, quando Catherine (Jeanne Moreau), Jules (Oskar Werner) e Jim (Henri Serre) vivem a plenitude de sua felicidade a três. Catherine, disfarçada de homem para uma brincadeira anterior, propõe que os três disputem uma corrida ao longo da ponte – na verdade, a passarela de Valmy sobre a via férrea, na localidade de Charenton-le-Pont, arredores de Paris.

A cena exala uma alegria infantil e uma cumplicidade que vai se concretizar na relação amorosa a três. Dali saiu a imagem mais divulgada do filme, a foto que abre esse post. Reinout van Schie, no blog One Shot, destacou a conexão entre as roupas listradas dos personagens e as grades da passarela, o que gera a percepção de harmonia e uníssono. Germaine Greer, por sua vez, enfatizou a tomada que corre em paralelo ao rosto de Catherine, envolvendo o espectador no prazer da brincadeira.

Abaixo, duas fotos da filmagem da cena, comandada pelo fotógrafo Raoul Coutard.

E aqui um vídeo que gravei atravessando a instalação montada na exposição Truffaut, no MIS-SP. As imagens da corrida se propagam numa sucessão de cortinas que leva o visitante inevitavelmente ao encontro da luz do projetor. O som reproduz em looping a respiração ofegante de Jeanne Moreau.

Esta cena já foi muito citada e copiada em diversos filmes de várias latitudes. Atualmente, está em cartaz em Um Filme Francês, de Cavi Borges, reencenada na passarela do MAM-RJ.

A segunda ponte de Jules e Jim aparece numa das últimas sequências do filme. Catherine chama Jim para contar-lhe alguma coisa dentro do carro, pede a Jules que os observe e dirige decididamente para a extremidade de uma ponte interrompida. O suicídio e a morte de um dos companheiros, sob a assistência do outro, configura um final surpreendentemente amargo para um filme que parecia festejar a vida e a liberdade no amor.

A velha ponte onde foi filmada esta cena fica em Limay-Mantes-la-Jolie, também nas cercanias de Paris. Ei-la segmentada até hoje:

Uma curiosidade a mais: em ambas as sequências Truffaut inseriu o traveling que acompanha lateralmente o deslocamento sobre o rosto de Catherine, numa espécie de rima visual, uma ponte entre as duas pontes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s